terça-feira, 22 de março de 2011

Quem precisa mais de quem?

Há poucos dias o Rio de Janeiro recebeu a ilustre visita do homem mais poderoso do planeta: Barack Obama. Confesso que dessa vez fiquei feliz por não haverem protestos acalorados anti-americanismo. Pois sempre achei que ao invés de mostrar repúdio às ações americanas, deveríamos dar a eles o desprezo que eles merecem. Somos um povo privilegiado, temos sobrando recursos naturais e ainda somos líderes mundiais na tecnologia para produção de biocombustíveis; e mesmo assim fomos agraciados com o Pré-sal. Somos banhados pelo Oceano Atlântico e protegidos pela Cordilheira dos Andes da fúria das placas tectônicas do Pacífico. Nossa economia vai realmente de vento em popa, embora não haja justiça social e não mais somos facilmente atingidos por crises internacionais. Por isso creio que eles precisem muito mais da gente do que nós deles nesse momento... Já que não é nosso filme que anda queimado no cenário internacional.

Mesmo assim, morri de vergonha ao ver as manifestações de apreço público ao líder norte americano. Como se ele fosse o Super Homem e tivesse vindo aqui para nos tirar da miséria e nos livrar dos problemas cotidianos. Certo que muita gente estava ali apenas para aparecer na televisão. Mas é inegável que o “povão”, esperançoso e honrado com a visita do messias mundial não tem a menor idéia do que ele veio fazer aqui... A mesma massa que compra a idéia de que o primeiro presidente negro dos Estados Unidos é um homem bom e capaz de unir o mundo através do bem comum, pronto para aceitar e respeitar as diferenças culturais entre as nações e corrigir as injustiças da humanidade é incapaz de entender que ele é o mesmo que continua impondo barreiras comerciais absurdas contra o Brasil, que proíbe veementemente nossa entrada em seu território e continua bombardeando alguns países do Oriente Médio. O povo nem faz idéia de que os EUA apoiaram nossa ditadura, assim como a terroristas revolucionários, genocidas e outras ditaduras tiranas no mundo; além de terem financiado a miséria, violência e o atraso na áfrica. Aproveitando-se sempre da industria da guerra pra aquecer sua economia.

A história recente me deixa escaldado, já que não estamos mais na condição de implorar uns míseros trocados de ajuda internacional. Por isso, Barack Obama me soa como uma grande armadilha publicitária e não acredito que ele viesse aqui para nos oferecer realmente sua humilde oferta de amizade e cooperação sem se aproveitar de nossos recursos para manter o “sonho americano” de pé. Esperem para ver a recepção dos americanos para Dilma, que, diga-se, não fala inglês: nenhum cidadão nas ruas e nenhuma bandeirinha do Brasil sendo agitada quando nossa ilustre presidente discursar, tamanho o apreço dos americanos por nossa nação. Mas não os culpo, já que acreditam sermos selvagens vestidos de Carmem Miranda, e que, apesar de eles explodirem tudo, acharemos graça e ainda os presenteamos com um macaco. Fazer o que?

Por: Rogério Mansera

4 comentários:

Pedro Garcia disse...

"Por 'complexo de vira-lata' entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo"
Nelson Rodrigues

Andressa Copelli disse...

Sinceramente um país que tem a Dilma, Tiririca(Comissão de Educação?!), Romário e mais uma pataquada de gente que não reconhece nem mesmo onde fica uma unidade da federação... Só não dá errado porque motivos de localização maior!

Link: Deputados não sabem onde fica Pernanbuco:http://www.youtube.com/watch?v=Vs_XBkO7o7o

Jonathan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jonathan disse...

Verdade! O Brasil é um país "privilegiado" e muitos países sabem disso. Por exemplo o presidente dos E.U.A citado no texto. Mais nós estamos feitos mesmo. Tivemos um presidente que, não vamos ser ignorantes e dizer também que o cara não fez nada que possa ter nos ajudado ou favorecido, mas não sabia nem ler direito, agora temos uma que não fala outro idioma e faz questão de ser chamada de presidenta! Questão de falta de conhecimento. De quem é a culpa?