segunda-feira, 9 de maio de 2011

ALTO SOM












Só Se For A Dois - Cazuza, 1987.






Lançado em março de 1987, Só Se For A Dois é o segundo disco solo de Cazuza, um dos maiores poetas de sua geração. Entre rocks e dores de cotovelos, este trabalho em relação aos discos com o Barão Vermelho ou o seu primeiro solo, demonstra um amadurecimento e um aprimoramento incontestáveis. Desde a faixa de abertura, a música título, "Só Se For A Dois", nós percebemos fluir o bom gosto de Cazuza em nos presentear com versos e músicas muito bem acabadas. "Ritual", ao violão, tão bonita e tão discreta nos faz lembrar que o melhor da vida é viver. Da vida real de um amigo, Cazuza escreveu "O Nosso Amor A Gente Inventa", inspirada canção que traz versos definitivos como "O teu amor é uma mentira/ que a minha vaidade quer...". Entrou em trilha de novela e toca até hoje em rádios. "Culpa de Estimação" é divertida e soa como a consciência inconsequente do poeta. "Solidão Que Nada", outra balada inspirada pela vida alheia. É impossível não reconhecer o poder de observação diante dos acontecimentos. Bela canção de estrada, de partida e de chegada. "Completamente Blue", fala dos sorrisos exteriores e do vazio interior, onde a imagem exposta não convece a própria dor. "Vai À Luta" segue em um rock bem apresentado, onde se fala de uma personagem que não marcou bobeira e correu atrás do que queria. Mas recordando a frase de Millôr Fernandes, Cazuza alerta: "Os fãs de hoje são os linchadores de amanhã". "Quarta-Feira" é um blues arrastado onde é feito um panorama sobre alguns personagens do dia a dia. "Heavy Love" é mais rock que coloca as coisas no seu devido lugar, entrou na trilha sonora do filme "Um Trem Para as Estrelas", de Cacá Diegues, onde Cazuza interpretou ele mesmo. "Lobo Mau Da Ucrânia" segue a veia rock, onde, através de sábias metáforas, fala da tragédia de Chernobyl e do perigo de sua radiação. Soa bastante atual. Só Se For a Dois encerra com o poema de Oswald de Andrade, "Balada do Esplanada", musicado por Cazuza que o deixou muito bem em uma roupagem Blues. Durante os shows da tour Só Se For a Dois, o disco foi praticamente tocado na íntegra, resultando um belo espetáculo que a extinta Rede Manchete de televisão, registrou para o programa Rock Expresso, que passava aos domingos às 19 horas. Anos atrás, o áudio deste show foi lançado em cd, mas o vídeo permanece até hoje inédito, o que é uma grande pena pois, Cazuza estava em ótima forma e com um excelente repertório em mãos.



Tubarão.

5 comentários:

Andressa Copelli disse...

É comum que grandes poetas imortalizem suas obras e as façam manter-se atuais através dos tempos. Viva Cazuza!

Peregrino disse...

Já toquei muito as músicas desse disco, só se for a 2, balada do esplanada, o nosso amor a gente inventa, ritual e o escambau. Esse disco tem uma importância imensa em minha vida e a maneira como entendo a música. Esse menino faz falta.Viva Cazuza!

Rogério Mansera disse...

Seja bem vindo Barão! Belo disco, belo texto e viva Cazuza!

tubarao disse...

VIVA CAZUZA! RESPOSTA AOS AMIGOS:

Andressa, a obra de Cazuza será sempre atual pois ela fala de coisas pelas quais todos passamos. Viva Cazuza!
Peregrino, dentro do peíodo em que foi lançado e até hoje mesmo, não só as letras mas também as músicas são muito bem desenvolvidas. São de um requinte ímpar!
Rogério, obrigado pela oportunidade de poder colaborar com o Resposta Carioca, é um imenso prazer!

ERRO:
Galera, peço que perdoem minha falta de atenção antes de publicar o texto. Na parte que comento "Completamente Blue", no lugar de "convece" era para estar escrito "convence". Perdoem. Abs.

tubarao disse...

Peregrino, eu quis dizer período.